sexta-feira, 25 de julho de 2008

ILHA DOURADA...

A fortaleza mergulha no mar
os cansados flancos
e sonha com impossíveis
naves moiras
Tudo mais são ruas prisioneiras
e casas velhas a mirar o tédio
As gentes calam na
voz
uma vontade antiga de lágrimas
e um riquexó de sono
desce a Travessa da "Amizade"
Em pleno dia claro
vejo-te adormecer na distância,
Ilha de Moçambique,
e faço-te estes versos
de sal e esquecimento
Rui Knopfli

quarta-feira, 23 de julho de 2008

COISAS DO ARCO DA VELHA...

Carta remetida ao Ministro da Defesa, por um fulano que quer ser dispensado da tropa.
..
Exmº. Senhor Ministro da Defesa:
Venho por este meio explicar a V.Exª. a situação delicada que tem estado a acontecer-me, de maneira a que V.Exª. possa vir a conceder-me um eventual apoio.
Tenho 24 anos de idade e fui, esta semana, convocado para incorporação nas fileiras. Acontece que não estava à espera de ser chamado porque:
- Sou casado com uma viúva, de 44 anos de idade, que é mãe de uma jovem de 25 anos, da qual sou padrasto.
O meu pai, por seu lado, acabou de casar com esta jovem, pelo que o meu pai passou também a ser meu genro, uma vez que está casado com a minha filha. Nestas circunstâncias, a minha filha, ou a minha enteada, como V.Exª. preferir, passou também a ser minha madrasta, pelo casamento com o meu pai.
No passado mês, eu e minha esposa fomos pais de uma criança do sexo masculino, que passou a ser irmão da mulher de meu pai, portanto cunhado deste. Deste modo, esta criança é também meu tio, para além de meu filho, dado ser irmão da minha madrasta. É deste modo que o meu filho também é meu tio.
A mulher do meu pai, por alturas do Natal, também deu à luz uma criança... que também passou a ser meu irmão, dado o facto de ser filho de meu pai, tal como é meu neto, porque filho da minha enteada, que é filha de minha mulher.
É assim que sou irmão do meu neto!!!
Considerando o facto de o marido da mãe de uma pessoa ser o pai dessa mesma pessoa, conclui-se ser eu também o pai da minha esposa e o irmão do meu filho.
Em resumo... SOU O MEU PÓPRIO AVÔ!
É assim que rogo a V.Exª., Sr. Ministro, que estude pacientemente o meu caso, porque a lei não permite que o pai, o filho e o neto sejam incorporados nas fileiras em simultâneo.
Agradecendo antecipadamente a atenção que possa dedicar a este meu caso, com a enviar os mais respeitosos cumprimentos.

segunda-feira, 14 de julho de 2008

HONRA TAMBÉM SE ENSINA...


É comum, em nossos dias, ouvirmos reclamações por parte de pessoas que se sentiram desrespeitadas em seus direitos.
É o médico que marca uma hora com o paciente e atrasa-se por longo tempo, sem dar satisfação.
É o advogado que assume uma causa e depois não lhe dá o encaminhamento necessário, deixando o cliente em situação difícil.
É o contabilista que se compromete perante a empresa em providenciar todos os documentos exigidos por lei e, passados alguns meses, a empresa é multada por irregularidades que este diz desconhecer.
É o engenheiro que toma a responsabilidade de uma obra, que mais tarde começa a ruir, sem que este assuma o erro que lhe diz respeito.
É o político que promete mundos e fundos e, depois de eleito, ignora a palavra empenhada juntos aos seus eleitores.
Esses e outros tantos casos acontecem com muitas vezes nos nossos dias.
É natural que as pessoas envolvidas em tais situações, exponham a sua indignação junto à sociedade, e reclamem os seus direitos perante a justiça.
Todavia, vale a pena pensarmos um pouco sobre a origem dessa falta de honradez por parte de algumas pessoas.

Temos de convir que todos eles passaram pela infância e, em tese, podemos dizer que não receberam as primeiras lições de honra como deveriam.
Quando os filhos são pequenos, não damos a devida atenção às suas más inclinações ou, o que é pior, os incentivamos com o próprio exemplo.
Se nosso filho desrespeita os horários estabelecidos, não costumamos cobrar dele uma mudança de comportamento.
Se prometem alguma coisa e não cumprem, não lhes falamos sobre a importância da palavra de honra.
Assim, a palavra empenhada não é cumprida, e nós não fazemos nada para que o seja.
E ainda, há pais que são os próprios exemplos de desonra. Prometem e não cumprem. Dizem que vão fazer e não fazem. Falam, mas a sua palavra não tem o peso que deveria.
É importante que pensemos a respeito das causas antes de reclamar dos efeitos.
É imprescindível que passemos aos filhos lições de honradez.
Ensinar aos meninos que as irmãs dos outros devem ser respeitadas tanto quando suas próprias irmãs.
Que a palavra sempre deve ser honrada por aquele que a empenha.
Ensinar o respeito aos semelhantes, não os fazendo esperar horas e horas para só depois atender como que estivéssemos fazendo um grande favor.
Enfim, ensinar-lhes a fazer aos outros o que gostariam que os outros lhes fizessem. Não há efeito sem causa. Todo efeito negativo, tem uma causa igualmente negativa.
Por essa razão, antes de reclamar dos efeitos, devemos pensar se não estamos contribuindo com as causas, directa ou indirectamente.

terça-feira, 8 de julho de 2008

O POETA PARTIU...

O Poeta partiu...No barro das ruas,
Pisados por toda a gente,
Ficaram sonhos velhos, secos, amarelados,
A estalar sob os pés de quem passou.

Depois, o vento os levou...

Sem regresso do Poeta é a viagem
Sem regresso é o sonho eterno
Rosa de Liberdade
Amor antigo, miragem!

"O barro já está tinto de tanto, tanto sangue
Há tanto tempo a correr"
Quando a minha Mãe vier... Saudade...

"Deixa chorar meus olhos
Deixa comigo
O peso do sonho tão antigo"

O Poeta chorou... o sonho pesou!

O sonho atirado aos "longes do mundo"
O Poeta chamado aos longes da morte.

No barro das ruas,
Pisados por toda a gente,
Ficaram sonhos secos, amarelados,
Quiçá desprezados,
A estalar sentidamente...

No barro das ruas secas, amareladas,
tão sofridamente amadas,
"Entre estrelas rutilantes, risos gritantes", sonhos no ar,
Vive
"Quem ousa negar"?
Eternamente a Alma do Poeta!

(Um poema de Sara Lidia em homenagem a seu pai o poeta AIRES DE ALMEIDA SANTOS)