sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

RECEITA DE ANO NOVO


Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano não apenas pintado de novo,
remendado às carreiras, mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior) novo,
espontâneo,
que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come,
se passeia, se ama,
se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens? passa telegramas?)
Não precisa fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido pelas besteiras consumidas
nem parvamente acreditar que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem e seja tudo claridade,
recompensa, justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados,
começando pelo direito augusto de viver.
Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo,
eu sei que não é fácil, mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo cochila e espera desde sempre.
...
Carlos Drummond de Andrade

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

DIA DE NATAL

Hoje é dia de ser bom.
É dia de passar a mão pelo rosto das crianças,
de falar e de ouvir com mavioso tom,
de abraçar toda a gente e de oferecer lembranças.
É dia de pensar nos outros
– coitadinhos –
nos que padecem,
de lhes darmos coragem
para poderem continuar a aceitar a sua miséria,
de perdoar aos nossos inimigos,
mesmo aos que não merecem,
de meditar sobre a nossa existência,
tão efémera e tão séria.
Comove tanta fraternidade universal.
É só abrir o rádio e logo um coro de anjos,
como se de anjos fosse,
numa toada doce,de violas e banjos,
entoa gravemente um hino ao Criador.
E mal se extinguem os clamores plangentes,
a voz do locutor anuncia o melhor dos detergentes.
De novo a melopeia inunda a Terra e o Céu
e as vozes crescem num fervor patético.
(Vossa excelência verificou a hora exacta
em que o Menino Jesus nasceu?
Não seja estúpido!
Compre imediatamente um relógio de pulso antimagnético.)
Torna-se difícil caminhar nas preciosas ruas.
Toda a gente acotovela, se multiplica em gestos esfuziante,
Todos participam nas alegrias dos outros
como se fossem suas
e fazem adeuses enluvados aos bons amigos,
que passam mais distante.
Nas lojas, na luxúria das montras e dos escaparates,
com subtis requintes de bom gosto e de engenhosa dinâmica,
cintilam, sob o intenso fluxo de milhares de quilovates,
as belas coisas inúteis de plástico,
de metal, de vidro e de cerâmica.
Os olhos acorrem, num alvoroço liquefeito,
ao chamamento voluptuoso dos brilhos e das cores.
E como se tudo aquilo nos dissesse directamente respeito,
como se o Céu olhasse para nós
e nos cobrisse de bênçãos e favores.
A oratória de Bach embruxa a atmosfera do arruamento.
Adivinha-se uma roupagem diáfana a desembrulhar-se no ar.
E a gente, mesmo sem querer, entra no estabelecimento
e compra – louvado seja o Senhor! –
o que nunca tinha pensado comprar.
Mas a maior felicidade é a da gente pequena.
Naquela véspera santa
a sua comoção é tanta, tanta, tanta,
que nem dorme serena.
Cada menino abre um olhinho
na noite incerta
para ver se a aurora já está desperta.
De manhãzinha
salta da cama,
corre à cozinha em pijama.
Ah!!!!!!!
Na branda maciezada matutina luza
guarda-o a surpresa
do Menino Jesus.
Jesus,
o doce Jesus,
o mesmo que nasceu na manjedoura,
veio pôr no sapatinho
do Pedrinho
uma metralhadora.
Que alegria
reinou naquela casa em todo o santo dia!
O Pedrinho,
estrategicamente escondido atrás das portas,
fuzilava tudo com devastadoras rajadas
e obrigava as criadas
a caírem no chão como se fossem mortas:
tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá.
Já está!
E fazia-as erguer para de novo matá-las.
E até mesmo a mamã e o sisudo papá
fingiam que caíam
crivados de balas.
Dia de Confraternização Universal,
dia de Amor, de Paz, de Felicidade,
de Sonhos e Venturas.
É dia de Natal.
Paz na Terra aos Homens de Boa Vontade.
Glória a Deus nas Alturas.
*
António Gedeão

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

POESIA ANGOLANA...

Banana. Palmar. Dendém.
Café robusta de Angola.
nnn
Preto na tonga
voluntário
contratado
preto-prato-colher
manta-sandália:
seus pertences nas estradas de Angola.
nnn
Monangamba de vinte angolares por dia
fuba-peixe seco-óleo de palma
esteira na cama de tábua nua.
Monandengues de dez angolares:
meninos sem escola
no café robusta de Angola
que brincam de gente adulta
com a experiência do mundo nos olhos
e barriga grande na infância da vida.
iii
Banana. Palmar. Dendém.
Café robusta de Angola.
ii
E os meninos sem mãe
as mães sem marido
e os homens sem mulher
pelas estradas de Angola
u.
Cândido da Velho
Poeta luso-angolano

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

POEMA PARA A NEGRA


Deixa que os outros cantem o teu corpo
que dizem feiticeiro e sedutor,
e, na volúpia vã do pitoresco,
entoem madrigais á tua dor.
yyy
Deixa que os outros cantem teus requebros
nos passos de massemba e quilapanga,
e teus olhos onde há noites de luar,
e teus beiços que têm sabor de manga.
yy
Deixa que os outros cantem os teus usos
como aspectos formais da tua graça,
nessa conquista fácil do exotismo
que dizem descobrir na nossa raça.
uuu
Deixa que os outros cantem o teu corpo,
na captação atónita do viço
e fiquem sempre, toda a vida, a olhar
um muro de mistério e de feitiço...
iii
Deixa que os outros cantem o teu corpo
– que eu canto do mais fundo do teu ser,
ó minha amada, eu canto a própria África,
que se fez carne e alma em ti, mulher!
ii
Poema de Geraldo Bessa Victor
(Poeta Angolano)

sábado, 15 de novembro de 2008

Poema à Mãe Angolana


Avança Mãe Angolana
E dá o melhor de ti própria
Nesta luta de vida ou de morte
Avança pelos rios perigosos
Pelos pântanos lodosos
Pela savanas sem fim
Avança pelo incomensurável horror da guerra
Entre a chuva de bombas que ilumina a terra
Mas avança porque é necessário
Avança com teus braços feitos asas
Abertas sobre o solo pátrio
Para proteger os teus filhos
Não te detenhas nos gemidos do vento
Não prendas à forma das flores
Sublima o amor neste momento
Avança Mãe Angolana
Que a tua coragem fará vacilar os soldados
Os soldados que já foram meninos
Os soldados
A que o fascismo tolheu a vontade
E que caminham sobre os cadáveres das crianças
Com risos sarcásticos de vingança...
Avança Mãe Angolana
Na terra ensopada de sangue
Dor e lágrimas
Causadas pela guerra
Que ela florescera
Sustentada pelo teu querer
E terás para os teus filhos
O sol aberto nas pétalas
E a serenidade dos heróis
Depois de ganha a batalha.
***
Eugénia Neto
(poetisa angolana)

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

AS SEM RAZÃO DO AMOR...



Eu te amo porque te amo.
Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga.
ooo
lll

Amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira, no eclipse.
Amor foge a diccionários
e a regulamentos vários.
ooo
lll

Eu te amo porque não amo
bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca,
não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.
ooo
lll

Amor é primo da morte,
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor


(Carlos Drummont de Andrade)

terça-feira, 11 de novembro de 2008

FELICIDADE...

Tristeza não tem fim
Felicidade sim
aaa
A felicidade é como a pluma
Que o vento vai levando pelo ar
Voa tão leve
Mas tem a vida breve
Precisa que haja vento sem parar
aaa
A felicidade do pobre parece
A grande ilusão do carnaval
A gente trabalha o ano inteiro
Por um momento de sonho
Pra fazer a fantasia
De rei ou de pirata ou jardineira
Pra tudo se acabar na quarta-feira
aaa
Tristeza não tem fim
Felicidade sim
aaa
A felicidade é como a gota
De orvalho numa pétala de flor
Brilha tranqüila
Depois de leve oscila
E cai como uma lágrima de amor
aaa
A felicidade é uma coisa boa
E tão delicada também
Tem flores e amores
De todas as cores
Tem ninhos de passarinhos
Tudo de bom ela tem
E é por ela ser assim tão delicada
Que eu trato dela sempre muito bem
aaa
Tristeza não tem fim
Felicidade sim
aaa
A minha felicidade está sonhando
Nos olhos da minha namorada
É como esta noite, passando, passando
Em busca da madrugada
Falem baixo, por favor
Pra que ela acorde alegre com o dia
Oferecendo beijos de amor.aaa
Vinicius de Moraes

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

PROVÉRBIOS DE S.MARTINHO


oooo
iii
As geadas de São Martinho levam a carne e o vinho.
Dos Santos ao Natal perde a padeira o cabedal.
Dos Santos ao Natal, perde o marinheiro o cabedal.
De Outubro a Dezembro não busques o pão no mar.
oooo
jjjj
oooo
De Santa Catarina ao Natal, bom chover e melhor nevar.
De Santos ao Natal é bom chover e melhor nevar.
De Santos ao Natal, ou bom chover ou bem nevar.
De Santos ao Natal perde a padeira o cabedal.
oooo
mmmm
oooo
De Todos-os-Santos ao Natal, bom é chover e melhor nevar.
De Todos-os-Santos ao Natal, perde a padeira o capital.
De Todos-os-Santos ao Natal, perde a padeira o natural.
De Todos-os-Santos até ao Natal, perde a padeira o cabedal.
aaa
vvvv
aaa
Depois dos Santos, neve nos campos.
Dia de Santo André, porcos pelo pé.
Dia de Santo André, quem não tem porco, mata a mulher.
Dia de São Martinho, castanhas e vinho.
aaa
rrrr
aaa
No dia de São Martinho, comem-se as castanhas e bebe-se o vinho.
Dia de São Martinho, lume, castanhas e vinho.
Dia de São Martinho, mata o teu porco e bebe o teu vinho.
Dia de São Martinho, prova o teu vinho.
aaa
llll
aa
Dia de São Martinho, vai à tua adega e prova o teu vinho.
Dos Santos ao Natal é bom chover e melhor nevar.
Dos Santos ao Natal, ou bem chover, ou bem nevar.
Em dia de Santo André, o tremoço não está, nem na saca nem no pé.
Em dia de Santo André, quem não tem porco que mate, amarra a mulher pelo p
é.
aaa
bbbb
aa
Em dia de São Martinho, semeia os teus alhos e prova o teu vinho.
Em dia de S.Martinho, vai à adega e prova o vinho.
Em dia de São Martinho, vai à adega, prova o teu vinho e faz um magustinho.
Em Novembro põe tudo a secar que pode o Sol não voltar.
Em Outubro, Novembro e Dezembro, abre o teu celeiro e o teu mealheiro.
aa
zzzz
aa
Em Outubro, Novembro e Dezembro, quem come do mar tem de jejuar.
Em S. Martinho, mata o teu porco, assa castanhas e prova o vinho.
Em S. Martinho tapa o teu portalzinho, ceva o teu porquinho e fura o pipinho.
No dia de Santo André diz o porco, quié-quié.
No dia de Santo André, pega o porco pelo pé; se ele disser quié-quié, diz-lhe que tempo é; se ele disser que tal-que-tal, guarda-o para o Natal.
aa
tttt
aa
No dia de Santo André, quem não tem porco, mata a mulher.
No dia de Santo André vai à esquina e traz o porco pelo pé.
No dia de São Martinho, lume, castanhas e vinho.
No dia de São Martinho, fecha a adega e prova o teu vinho.
No dia de São Martinho, fura o teu pipinho.
No dia de São Martinho, mata o porco e prova o teu vinho.
No dia de São Martinho, mata o porquinho, abre o pipinho, põe-te mal com o teu vizinho.
aa
dddd
aa
No dia de São Martinho, mata o porquinho, chega-te ao lume, assa castanhas e bebe o teu vinho.
No dia de São Martinho, vai à adega e prova o teu vinho.

sábado, 8 de novembro de 2008

BALADA DE OUTONO


Setembro …

Traz a balada de Outono

Que muda na folha as cores

Seduz e despe as flores

Num sestro de abandono...

Em toada persistente

As folhas , essas coitadas

Vão caindo lentamente

Das àrvores amarguradas

Ao ficarem desnudadas

De cada folha cadente...

Será que uma folha sente

Na despedida a tristeza ?…

Como dom da Natureza !…

E que em secreta amargura

Sofre, mas nunca se queixa

Como alguém que a Pátria deixa

Por destino ou desventura ?!…

E em cada folha caída

Resta uma angústia profunda

Num frágil sopro de vida

A sussurrar moribunda:

Não fez sentido viver

Esta tão curta existência…

Outono… Sem clemência

Tão cedo me fez morrer !…


Euclides Cavaco

terça-feira, 28 de outubro de 2008

VAMOS FALAR DE SONHOS?

* Sendo este blog apologista dos sonhos... mal seria que ele não falasse daquele estado que nos torna em visionários capazes de vêr as mais mirabolantes situações do quotidiano, que poderá tratar-se da obra do imaginário, de uma realidade passada ou futura, uma vez que muitas das premonições que, nos sonhos, são previsíveis vir a acontecer num futuro mais ou menos próximo, ou não passarão de meras fantasias ditadas por um cérebro demasiadamente cansado, que não perde uma oportunidade para nos pregar uma partida.
* Mas, é ponto assente... os sonhos existem! Nesses sonhos encontramos uma mescla de realidade ou fantasia, de alegria ou tristeza, de esperança ou ódio, de vida ou morte, e para isso o oráculos dos sonhos vai dando algumas interpretações mais ou menos aceite, consoante sejamos ou não cépticos destas coisas que tocam no sobrenatural, no paranormal ou no espíritual. Quantas vezes somos levados a recorrer à esperança de que alguns dos nossos sonhos se concretizem, especialmente nas coisas do amor, do dinheiro, da saúde ou da falta desta. Haverá alguma razão que esteja subjacente a esta crença? Ou será apenas um desejo que ressalta do facto de que, em alguns momentos, gostaríamos de mudar o rumo da nossa vida e assim vamos SONHANDO COM ESSE DIA?
* Afinal... o que é o sonho? O sonho será uma experiência com significados distintos para quem faça um ampliado debate que contemple a religião, a ciência e a cultura. No campo da Ciência, o sonho será uma experiência da imaginação do inconsciente durante aquele período em que acontece o nosso sono. É muito recente a descoberta de que também os bébés, ainda no útero materno, têm sono REM (movimentos rápidos dos olhos) e sonham, só não se sabendo com o quê. Nas diversas tradições culturais e religiosas o sonho surge revestido de poderes premonitórios ou até mesmo como sendo uma expansão da consciência.
*Existem muitos e diferentes tipos de sonhos. Há especialistas que os têm tentando entender e os vão dividindo em grupos:
Sonhos criativos: As pessoas que tem sonhos criativos representam esses sonhos através da pintura ou através de livros. Sonhos lúcidos: Quando a pessoa está a sonhar, e sabe que está mesmo a sonhar, conseguindo controlar o que está a acontencer como se estivesse a dirigir um filme. Essas pessoas conseguem encontrar-se com outras pessoas através dos seus sonhos e depois, quando acordam, descobrem que as pessoas com quem sonharam tiveram o mesmo sonho com as mesmas pessoas e as mesmas coisas. Pesadelos: Sonhar com monstros ou fantasmas significa que se está com medo de alguma coisa na vida real e que vai precisar de ser confrontado. Ao sonhar que se está preso em algum lugar, quer significar que se está preso a uma situação na vida real. Sonhos previsíveis: São aqueles sonhos em que a pessoa que sonha alega que há certos eventos que irão acontecer no futuro. Sonhos repetitivos: Quando se sonha com a mesma coisa mais do que uma vez, quererá isso dizer que há alguma coisa que está a causar preocupações na vida real. Sonhos sensuais: Todos nós sonhamos sobre questões de sexualidade, especialmente quando se está a passar à fase da puberdade. É perfeitamente natural que se tenham sonhos com esse tipo de coisas em qualquer estágio de nossas vidas.
* Eis uma lista com os símbolos mais comuns que aparecem nos sonhos.
Árvores: São símbolos da vida e também podem significar família.
Voar: É um símbolo clássico. Pode vir em forma de pássaros ou aviões, mas todos eles querem dizer liberdade.
Números: Cada número tem um significado diferente.
Morte: Regra geral, não são sobre alguém que está a morrer. Poderá significar o fim de uma fase da sua vida ou o fim de alguma coisa que não lhe é mais útil .
Jardins: Representam aquilo que se sente no momento. Ao sonhar com um jardim, procurar lembrar os detalhes, com que se parecia, se tinha muitas flores, de que tipo...
Cruzamento: Quer dizer que tem muitos e diferentes caminhos para escolher e seguir na sua vida. Tente recordar o que está escrito nas placas que vê no seu sonho, pois isso poderá ajudar a que tome uma decisão.
Nascimento: Literalmente pode significar a chegada de um bébé, mas também poderá significar, para si, o inicio de uma vida nova .
Prédios: Representam o próprio sonhador. Tendo sonhos com corredores e cómodos de uma casa, é porque está a tentar entender-se a si mesmo.
Montanhas: Significam as coisas que mais deseja na sua vida. Podem igualmente siginificar os obstáculos que terá de superar.
Comer e beber: Quase sempre aparecem nos sonhos, mesmo que não tenha fome ou sede. Siginifica que necessitará de alguns extras na sua vida.
Mapas: Podem mostrar o caminho que devemos seguir... mas também poderá significar que se vai fazer uma viagem .

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Alçar vôo

+O+

É loucura muito minha, Senhor,
esperar que o teu Amor
depois de todos os desmandos
me aceite como eu sou.
É loucura muito minha, Senhor,
esperar com terno ardor
que em minhas limitações
faças loucuras de amor.
Águia não sou, meu Senhor.
Dela trago tão somente o olhar
e, também, no coração,
a aspiração do seu voar, voar...
*
(in Passarinho - de Santa Terezinha do Menino Jesus)

sábado, 11 de outubro de 2008

FRASES E PENSAMENTOS...filosóficos


  • “Deus não joga dados com o mundo; ele é sutil, mas não é maldoso”
  • “A humanidade se apaixona por finalidades irrisórias que tem por nome a riqueza, a glória, o luxo. Desde moço já as desprezava”
  • “Se eu, em algum livro, disse o que não é verdade, não estou disposto a brigar com Deus porque ele não fez o mundo assim como eu disse”
  • “A pior das instituições gregárias se intitula exército. Eu o odeio. Se um homem puder sentir qualquer prazer em desfilar ao som de uma banda militar, basta para merecer o meu desprezo. Esse homem recebeu um cérebro volumoso por mero engano, a espinha dorsal seria perfeitamente suficiente para ele. Deveríamos fazer desaparecer o mais depressa possível este câncer da civilização. Detesto com todas as forças o heroísmo obrigatório, a violência gratuita e o nacionalismo débil. A guerra é a coisa mais desprezível que existe. Preferia deixar-me despedaçar a participar de coisa tão abominável”
  • “Quanto mais aprendo, mais me dou conta da minha ignorância”
  • “É estranho que eu, que escrevi apenas livros impopulares, tenha me transformado num personagem tão popular”
  • “A única coisa que interfere com meu aprendizado é a minha educação. Educação é o que resta depois de ter esquecido tudo que se aprendeu na escola”
  • “Quando eu era jovem razoavelmente precoce, fiquei impressionado com a futilidade das esperanças e da ambição que acossam, incansavelmente, a maioria dos homens durante toda a sua vida. Além disso, muito cedo percebi a crueldade dessa busca, que naquele tempo era muito mais cuidadosamente disfarçada pela hipocrisia e por palavras brilhantes. Todos estavam condenados a participar dela pela mera existência de seus estômagos”
  • “Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio: eis que a verdade se me revela”
  • “O único homem que está isento de erros, é aquele que não arrisca acertar.”
  • “Estou absolutamente convencido de que nenhum dinheiro pode ajudar a humanidade a progredir, mesmo que ele esteja nas mãos de homens que demandem uma meta superior. O que pode conduzir o homem a nobres ideais e realizações é tão somente o exemplo de grandes e puras personalidades. O dinheiro nunca deixa de favorecer o egoísmo e sempre nos leva a abusos. Pode alguém imaginar Moisés, Jesus ou Gandhi, armados de um saco de dinheiro nas mãos?”
  • “Existem duas coisas infinitas: o Universo e a tolice dos homens”
  • “Grandes almas sempre encontraram forte oposição de mentes medíocres”
  • “A política é apenas por um momento, enquanto uma equação é para a eternidade”
  • “O mais incompreensível do mundo é que ele seja compreensível”
  • “Não procure ser um homem de sucesso; busque apenas ser um homem de valor”
  • “O problema de morar sozinho é que sempre é a nossa vez de lavar a louça”
  • “A realidade é uma ilusão, embora bastante persistente”
  • “A paz é a única forma de nos sentirmos realmente humanos”
  • “O ser humano vivencia a si mesmo, seus pensamentos, como algo separado do resto do universo - numa espécie de ilusão de ótica de sua consciência. E essa ilusão é um tipo de prisão que nos restringe a nossos desejos pessoais, conceitos e ao afeto apenas pelas pessoas mais próximas. Nossa principal tarefa é a de nos livrarmos dessa prisão, ampliando o nosso círculo de compaixão, para que ele abranja todos os seres vivos e toda a natureza em sua beleza. Ninguém conseguirá atingir completamente este objetivo, mas lutar pela sua realização já é por si só parte de nossa liberação e o alicerce de nossa segurança interior.”
  • “O único lugar onde o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário”
  • “A imaginação é mais importante do que o conhecimento. O conhecimento é limitado, a imaginação rompe barreiras”
  • “Se minha teoria da relatividade revelar-se correta, a Alemanha afirmará que sou alemão, os suíços dirão que sou cidadão suíço e os franceses me chamarão de cidadão do mundo. Mas se minha teoria fracassar, os franceses me chamarão de suíço, os suíços de alemão e os alemães me chamarão de judeu."
  • “A palavra progresso não terá qualquer sentido quando houver crianças infelizes”
  • “A maioria de nós prefere olhar para fora e não para dentro de si próprio”
  • “Eu aceito o mesmo Deus que o nosso grande Spinoza chama a alma do Universo, não creio num Deus que se preocupe com as nossas necessidades pessoais”
  • “Nunca penso no futuro, ele chega rápido demais.”
  • “Não tenho o direito de relaxar os esforços que tenho feito para conscientizar os povos do mundo inteiro, e mais ainda seus governantes do desastre inigualável que provocarão com certeza, se não se decidirem a mudar de atitude… Essa arma, quisemos que fosse entregue nas mãos das nações americanas e britânica, que souberam lutar pela paz e pela liberdade. Mas a constituição das Nações Unidas até agora não trouxe garantia de paz e liberdade que parecia, no entanto, prometer. Nós ganhamos a guerra, mas ainda não ganhamos a paz”
  • “Existem apenas duas maneiras de ver a vida. Uma é pensar que não existem milagres e a outra é acreditar que tudo é um milagre”
  • “A ciência sem a religião é paralítica e a religião sem a ciência é cega”
  • “Deus é a Lei e o Legislador do Universo”
  • “No meio de qualquer dificuldade encontra-se a oportunidade.”
  • “A coisa mais bela que o homem pode experimentar é o mistério. É essa emoção fundamental que está na raiz de toda ciência e toda arte.”
  • “Talvez algum dia a solidão venha a ser adequadamente reconhecida e apreciada como mestra da personalidade. Há muito que os orientais o sabem”
  • “Futuras gerações dificilmente acreditarão que tenha passado pela face da Terra, em carne e osso, um homem como Mahatma Gandhi”
  • “A paz não pode ser mantida à força. Somente pode ser atingida pelo entendimento.”
  • “Se eu não fosse judeu, seria um quaker”
  • “Aquele que considera sua vida e a dos outros sem qualquer sentido é fundamentalmente infeliz, pois não tem motivo algum para viver”.
  • “Em oposição aos meus apaixonados sentimentos de justiça e deveres sociais, sempre experimentei a total ausência de me aproximar dos homens e das sociedades humanas. Apraz-me sentir-me só. Nunca me entreguei de corpo e alma a um círculo de amigos, ao Estado, nem à minha própria família. Pelo contrário, sempre senti nesses laços o indefinível sentimento de ser um estranho em seu desejo de solidão”
  • ***
  • Compilados por Roberto Pinheiro

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

VIDA...

uuu

Temos, todos que vivemos,
Uma vida que é vivida
E outra vida que é pensada,
E a única vida que temos
É essa que é dividida
Entre a verdadeira e a errada.
Fernando Pessoa

domingo, 5 de outubro de 2008

DORMIR! NÃO TER DESEJOS NEM 'SPERANÇAS!


Dormir! Não ter desejos nem 'speranças
Flutua branca a única núvem lenta
E na azul quiescência sonolenta
A deusa do não-ser tece ambas as tranças
*
Maligno sopro de árdua quietude
Perene a fronte e os olhos aquecidos,
E uma floresta-sonho de ruídos
Ensombra os olhos mortos de virtude
*
Ah, não ser nada conscientemente!
Prazer ou dor? Torpor o traz e alonga,
E a sombra conivente se prolonga
No chão interior, que à vida mente.
*
Desconheço-me. Embrenha-me futuro,
Nas veredas sombrias do que sonho.
E ao ócio em que diverso me suponho,
Vejo-me errante, demorado e obscuro
*
Minha vida fecha-se como um leque.
Meu pensamento seca como um vago
Ribeiro no Verão. Regresso, e trago
Nas mãos flores que a vida prontas seque.
*
Incompreendida vontade absorta
Em nada querer... Prolixo afastamento
Do escrúpulo e da vida no momento.
+
Poema de
Fernando Pessoa

terça-feira, 23 de setembro de 2008

SONHOS...


Sonhos!..

E, embarquei neste batel ao léu...
Onde seria conduzida a não ser ao Porto do Amor!?
Com minha fantasia, cheguei rápido, perto de ti.
Com um " frisson ", me sentiste.

Não me mostrei...
Seria apenas um sonho, um toque..
Suspirei sobre teus cabelos, teu rosto, tua boca.
Beijei-a apaixonadamente!..
Sentiste-me, pois vi, em teu olhar um brilho diferente.
Fechaste teus olhos e um prazer imenso te inundou.
Senti uma pérola descida em tua face:
Uma lágrima deslizou .

Eu a peguei e a guardei, em meu coração,
para juntar a minha lágrima que deslizou logo após,
atrás da tua, nessa saudade imensa,
que nos invade a alma,
quebra a correnteza,
se liberta de tudo
espera apenas o momento de amar!..


Um poema de
Eda Carneiro da Rocha
" Poeta Amor "

sábado, 20 de setembro de 2008

LUIZ VAZ DE CAMÕES


- Canção 2 -
l
A instabilidade da Fortuna,
os enganos suaves de Amor cego,
(suaves, se duraram longamente),
direi, por dar à vida algum sossego;
que, pois a grave pena me importuna,
importune meu canto a toda a gente.
E se o passado bem co mal presente
me endurece a voz no peito frio,
o grande desvario
dará de minha pena sinal certo,
que um erro em tantos erros é concerto.
E, pois nesta verdade me confio
(se verdade se achar no mal que digo),
saiba o mundo de Amor o desconcerto,
ue já co a Razão se fez amigo,
só por não deixar culpa sem castigo.
j
Já Amor fez leis, sem ter comigo algüa;
já se tornou, de cego, arrazoado,
só por usar comigo sem-razões.
E, se em algüa cousa o tenho errado,
com siso, grande dor não vi nenhüa,
nem ele deu sem erros afeições.
Mas, por usar de suas intenções,
buscou fingidas causas por matar-me;
que, para derrubar-me
no abismo infernal de meu tormento,
não foi soberbo nunca o pensamento,
nem pretende mais alto alevantar-me
daquilo que ele quis; e se ele ordena
que eu pague seu ousado atrevimento,
saiba que o mesmo Amor que me condena
me fez cair na culpa e mais na pena.
k
Luis de Camões

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

OS VERSOS QUE TE FIZ...

o

Deixa dizer-te os lindos versos raros
Que a minha boca tem pra te dizer!
São talhados em mármore de Paros
Cinzelados por mim pra te oferecer.
o
Têm dolência de veludos caros,
São como sedas pálidas a arder...
Deixa dizer-te os lindos versos raros
Que foram feitos p'ra te endoidecer!
o
Mas, meu Amor, eu não tos digo ainda...
Que a boca da mulher é sempre linda
Se dentro guarda um verso que não diz!
o
Mas, meu Amor, eu não tos digo ainda...
Que a boca da mulher é sempre linda
Se dentro guarda um verso que não diz
o
Florbela Espanca

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

CARTA DE D.AFONSO DE ALBUQUERQUE


Quando esta escrevo a Vossa Alteza
Estou com um soluço que é sinal de morte.
Morro à vista de Goa, a fortaleza
Que deixo à índia a defender-lhe a sorte.
Morro de mal com todos que servi,
Porque eu servi o rei e o povo todo.
Morro quase sem mancha, que não vi
Alma sem mancha à tona deste lodo.
De Oeste a Leste a índia fica vossa;
De Oeste a Leste o vento da traição
Sopra com força para que não possa
O rei de Portugal tê-la na mão.
Em Deus e em mim o império tem raízes
Que nem um furacão pode arrancar...
Em Deus e em mim, que temos cicatrizes
Da mesma lança que nos fez lutar.
Em mais alguém, Senhor, em mais ninguém
O meu sonho cresceu e avassalou
A semente daninha que de além
A tua mão, Senhor, lhe semeou.
Por isso a índia há de acabar em fumo
Nesses doiros paços de Lisboa;
Por isso a pátria há de perder o rumo
Das muralhas de Goa.
Por isso o Nilo há de correr no Egito
E Meca há de guardar o muçulmano
Corpo dum moiro que gerou meu grito
De cristão lusitano.
Por isso melhor é que chegue a hora
E outra vida comece neste fim...
Do que fiz não cuido agora:
A índia inteira falará por mim.
.
Poema de
Miguel Torga

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

A BELEZA DOS CAMPOS


Meus olhos fixam o manto
do campo coberto de flores...
...silvestres, é isso certo,
mas tão plenas de encanto,
com tantas fragâncias e odores,
sempre belas, de imensas cores!
São mil papoilas e margaridas,
onde as abelhas diligentes
cumprem bem o seu papel
pois em voos inteligentes,
vão recolhendo o loiro mel
que levam à colmeia
onde está todo o enxame
que pelo espaço campeia!
Ouvem-se no ar os trinados...
...há rouxinóis a cantar;
...toutinegras... cigarras,
e também o negro grilo,
dono de tão lindo trilar...
... devagar, vê se o agarras
para o pôres numa gaiola
onde ele goste de estar!
Há cheiros e mil gorjeios,
que se espalham pelo ar...
há tanta coisa tão bonita...
...andorinhas a voar...
...besouros e libelinhas...
...pombos, melros e falcões,
e isto me leva a pensar
que a Deus temos de louvar,
com os nossos corações,
por tudo quanto criou
mas não cabe nestas linhas:
Este Mundo que nos legou!
***
Poema de
Victor Elias